Baixe o aplicativo  INTERPRESS MOTOR para seu iPhone / iPad Adicionar aos favoritos Recomende a um amigo Faça deste site sua página inicial
Lançamento
Opinião
Reportagem
Galeria de fotos
Notícias
Blog do Luís Perez
Manutenção
Vídeos
Caminhões e ônibus



Papel de parede
Jogos

Shopping









LANÇAMENTO
30/03/2011 - 23h19 Bookmark and Share
AVALIAÇÃO
Soul bebe álcool para ver as vendas dobradas
Agora flex, "carro-design" da Kia mantém preços a partir de R$ 52.900
por OSWALDO TORQUATO, enviado especial a Itu (SP)
Acontece sempre, nas melhores faculdades... Uma nova aluna entra bem no meio do ano e de cara chama a atenção de todos graças a seu visual diferente do que a turma havia visto até então. A aparência ajuda a garota a angariar amigos e pretendentes, mas logo a fórmula esgota, pois todos se acostumam com o jeitão diferente da novata. Para continuar a ser popular, resolve aceitar os convites para beber com a galera.

Metáforas à parte, foi o que aconteceu ao Kia Soul, lançado no Brasil em 2009. Com um estilo inusitado, meio hatchback, meio "micro SUV" (ou "carro-design", como diz a propaganda), o crossover fez sucesso entre a turma de moderninhos e descolados, como a própria Kia define o consumidor do modelo. Mas a restrição à gasolina impedia o modelo de alçar voos mais altos, principalmente na região sudeste, maior mercado do Brasil.

Pois isso deixou de ser um problema no final de 2010, com o lançamento do Soul Flex, modelo exclusivamente brasileiro que foi apresentado à imprensa nesta quarta (30). O Soul Flex manteve os preços da versão anterior, atualmente em queima de estoque. A manual parte de R$ 52.900, enquanto a automática começa em R$ 63.900.

Kia Soul Flex - foto Divulgação
Por fora modelo praticamente não sofreu alterações

Galeria de fotos Mais fotos na galeria.

Visualmente o Soul Flex é idêntico ao seu antecessor monocombustível, mantendo a ousada carroceria repleta de linhas retas e quinas arredondadas, escola de design seguida por Citroën C3 Picasso e novo Fiat Uno. As alterações estão restritas ao logo "Flex" no porta-malas, opção de trocas sequenciais no câmbio automático, painel de instrumentos com nova grafia e às maçanetas.

Agora basta puxá-las para fora para abrir a porta, enquanto o modelo anterior usava um sistema embutido. O motivo da mudança? "Atendemos os pedidos das mulheres, que quebravam as unhas ao colocar os dedos por baixo da maçaneta antiga", conta Ary Jorge, diretor de vendas da Kia.

O interior segue quase inalterado, o que não é um demérito. Diferente sem ser ousada, a cabine é forrada por materiais de boa qualidade, incluindo os plásticos, emborrachados em áreas onde os passageiros colocam as mãos (como os apoios nas portas) e de textura agradável onde é rígido. A iluminação do painel de instrumentos adota um vermelho similar ao usado pelos modelos da Audi, e o display de cristal líquido no console central tem boa leitura.

Mantendo a receita que ajudou no sucesso dos sul-coreanos e virou requisito no segmento, o Soul vem recheado. Na versão de entrada, chamada de U.111 (R$ 52.900), há trio elétrico, ar-condicionado, direção elétrica, CD player com MP3 e entrada USB, rodas de liga leve de 16 polegadas e airbag duplo. O ABS inexplicavelmente só surge na U.114 (R$ 58.900), junto com faróis de neblina e câmera de ré com display no retrovisor central. Rodas de 18 polegadas são o único diferencial da U.113 (R$ 60.900), enquanto o câmbio automático é oferecido na U.164 (R$ 63.900) e U.163 (R$ 65.900). Top de linha, esta última tem o interior de couro.

Kia Soul Flex - foto Divulgação
Maçanetas mudaram para não quebrar as unhas das mulheres

A lista farta de itens de série acerta em cheio no concorrente do Soul – ou melhor, concorrentes. O inusitado crossover acaba disputando mais de um segmento. De acordo com a Kia, a lista de rivais vai de Volkswagen CrossFox a Ford EcoSport, passando por Honda Fit e Renault Sandero Stepway. Mas não pense que a falta de foco em um mercado faz com que o Soul não atenda todas as expectativas, pois ele supera seus múltiplos concorrentes em quase todos os pontos.

Apesar de razoavelmente curto (são 4,10 metros de comprimento), o Soul tem um amplo espaço interno, mérito mais da altura (1,61 m) do que do entre-eixos (2,55 m). O espaço para a cabeça supera o Renault Sandero e Honda Fit, com a vantagem dos joelhos dos passageiros que vão atrás se manterem longe dos bancos dianteiros. Porém o espaço extra dos caronas foi obtido pelo porta-malas menor, com parcos 340 litros.

No quesito desempenho, o Soul continua fazendo bonito. Se na versão a gasolina (124 cv e 15,9 kgfm) o motor 1.6 16V não decepcionava, agora ficou quase um pocket-rocket, salvas as devidas proporções. As alterações promovidas pela matriz da Kia elevaram a potência do quatro-cilindros para 126 cv com gasolina e 130 cv com etanol, com o torque subindo para 16 kgfm com gasolina e 16,5 kgfm com etanol.

Kia Soul Flex - foto Divulgação
Emblema na traseira diferencia Soul Flex da versão a gasolina

Durante test-drive de cerca de 130 km realizado por Interpress Motor entre Itu e Piracicaba (SP) foi possível atestar que o Soul continua divertido na hora de acelerar e virar, mas nem tão simpático na hora de parar. Com comando de válvulas variável, o motor do Soul é elástico, com entrega de torque e potência linear. Isso, somado à transmissão manual que equipa 60% dos Soul vendidos, torna o modelo prazeroso de guiar.

A assistência elétrica da direção não prejudica a sensibilidade do motorista, enquanto a suspensão firme compensa a dureza na hora de passar por buracos com estabilidade de sobra nas curvas – e olha que estamos falando de um carro com quase a mesma altura do EcoSport. O controle de estabilidade seria bem-vindo, mas não faz tanta falta como outro sistema eletrônico.

Divertido na hora de acelerar e virar, o Soul não é tão simpático na hora de parar. Com pouca modularidade, o pedal de freio é “borrachudo”, similar ao dos primeiro Palio e Gol de quarta geração. Essa característica, somada ao fato de o Soul mais vendido ser o sem ABS, faz com que o motorista precise ter parcimônia antes de curvas mais ousadas. Se a ausência do sistema de segurança se repete nos concorrentes, o fôlego do Soul faz com que o modelo se exponha mais a situações perigosas.

Meta de vendas

As modestas alterações visuais e a entrada no clube dos alcoólatras deixaram as metas do Soul ambiciosas. O objetivo da Kia é pelo menos dobrar as vendas em 2011, com singelos 18 mil carros, contra 8.662 no ano passado. Porém a Kia já provou que a cifra não é impossível de ser obtida, pois a fabricante cresceu na mesma proporção nos últimos dois anos.

Outro dado torna a meta modesta, até. Comparando as vendas do primeiro trimestre de 2010 contra o mesmo período de 2011, o Soul cresceu inacreditáveis 205% (e olha que somente agora a versão Flex foi apresentado à imprensa, o que ampliará a divulgação do modelo). Não pense que tanto crescimento fará com que só se veja Soul nas 150 concessionárias (180 até o final do ano) da Kia. Com a previsão de lançar pelo menos mais cinco modelos em 2011, a fabricante quer subir 91% nas vendas totais, com 110 mil unidades faturadas, sendo somente 17% delas de Soul.

Após andar no crossover os objetivos de José Luiz Gandini, presidente da Kia do Brasil, não parecem tão altos. O modelo manteve o bom custo-benefício e a garantia de cinco anos e adicionou as demandas do peculiar mercado nacional. Como aquela menina do primeiro parágrafo, começar a beber álcool ao Soul não fará só com que o ele volte a ter destaque como o transformará em referência.

FICHA TÉCNICA
Kia Soul Flex
Motor:
dianteiro, transversal, quatro cilindros em linha, 16 válvulas, flex, 1.591 cm³ de cilindrada
Potência: 126 cv a 6.300 rpm (gasolina) a 130 cv a 6.000 rpm (etanol)
Torque: 16 kgfm a 4.500 rpm (gasolina) a 16,5 kgfm (etanol) a 5.000 rpm
Direção: elétrica
Câmbio: manual de cinco velocidades ou automático de quatro velocidades
Suspensão: dianteira independente, pseudo McPherson; traseira dependente, tipo eixo de torção
Freios: a disco ventilado na dianteira e tambor na traseira (ABS a partir do catálogo U.113)
Dimensões: 4,10 m de comprimento; 1,78 m de largura; 1,61 m de altura; 2,55 m de entre-eixos
Peso: de 1.267 kg a 1.287 kg, dependendo da versão
Tanque: 48 litros
Porta-malas: 340 litros
Preços: R$ 52.900 (U.111), R$ 58.900 (U.114), R$ 60.900 (U.113), R$ 63.900 (U.164) e R$ 65.900 (U.163)


leia             mais LEIA TAMBÉM: Fluence tem atributos para enfrentar líderes

leia             mais C3 Picasso é confirmado oficialmente com esse nome.

leia             mais 408 procura vingar a Peugeot no segmento de sedãs médios

leia             mais Honda apresenta versão final do novo Civic

leia             mais Fiat começa a vender novo Uno com duas portas.

leia             mais Celta e Prisma 2012 chegam com mudanças pontuais.

leia             mais BMW bate recorde de vendas na América Latina

leia             mais Fusion híbrido participa do teste dos 30 dias.

leia             mais Chevrolet Camaro chega por R$ 185 mil

leia             mais Sucessor do Stilo, Bravo parte de R$ 55.200.

leia             mais Peugeot começa as vendas do crossover 3008.

leia             mais Dirigimos em primeira mão o Mercedes ML 350 CDI; veja.

leia             mais Professor Pasquale testa Fiat 500; veja galeria.

leia             mais Siga Interpress Motor no Twitter.

leia             mais Maioria se informa sobre carros pela internet.

leia             mais Anuncie em Interpress Motor. Peça aqui sua proposta.

leia             mais Compare preços no Shopping Interpress Motor.

leia             mais Quer receber o boletim Interpress Motor? Cadastre-se


voltar
Carpress | Shopping | Expediente
© 2006-2014 Carpress - Todos os direitos reservados
É proibida a reprodução de conteúdo deste site em qualquer meio
de comunicação, impresso ou eletrônico, sem autorização por escrito
Desenvolvido por AD&R Web