Shopping Interpress
OPINIO
LANAMENTO
REPORTAGEM
BUSCA
FALE CONOSCO
BOLETIM
SHOPPING
INTERBLOG
NOTCIAS








LANÇAMENTO
SEDÃ MÉDIO
Nova geração do Civic leva Honda de volta para o futuro
Modelo chegou às concessionárias do país no início deste mês repleto de novidades
por THAIS VILLAÇA

Alguns dos últimos lançamentos no mercado automotivo não trouxeram nenhuma grande inovação. Além da infeliz mania de chamar de “nova geração” tímidas reestilizações, muito do que tem sido apresentado traz apenas linhas discretas e clássicas, além de faróis maiores. Tudo muito tradicional e esteticamente correto. Pouco ousado, enfim. O novo Civic, no entanto, leva o design de volta para o futuro.

Divulgação
Faróis afilados, nem por isso menos luminosos, demonstram ousadia

Até por isso o lançamento da oitava geração do Honda Civic (sim,  esta é nova geração mesmo) foi bem estimulante. Com um visual futurista, quebrou a monotonia estilística de outros fabricantes. Mesmo que não agrade aos mais conservadores, a Honda ganhou pontos no quesito originalidade.

A mudança foi grande. Se o Civic antes tinha cara de “carro de pai”, a modernidade do design atual deixará os jovens animados. O sedã foi projetado para oferecer baixa resistência aerodinâmica. Ficou mais arredondado e esportivo. Contrariando as tendências recentes, os faróis agora estão mais afilados (de "olhos puxados", se preferir), mas sem comprometer o grau de luminosidade.

Divulgação
Traseira traz desenho marcante com lanternas que avançam sobre a tampa

Chega às concessionárias em quatro versões de acabamento: LXS, LXS com couro (ambas com opção de câmbio automático ou manual), EX, a top de linha, apenas com transmissão automática, além de uma versão produzida especialmente para deficientes físicos, a LX. O motor é o mesmo para todas elas, o 1.8 que, segundo a montadora, rende 140 cv a 6.300 rpm e tem torque máximo de 17,7 kgfm a 4.300 rpm. Já a LX tem potência controlada eletronicamente de 125 cv.

Divulgação
Comandos são concentrados do lado do motorista; velocímetro é digital

Um aspecto que chama a atenção ao entrar no carro é o tamanho do painel. Extremamente espaçoso e bem iluminado, apresenta fácil visualização dos instrumentos de leitura e velocímetro digital diretamente acoplado na linha de visão do motorista. A posição de dirigir é bastante confortável, pois todas as versões vêm com regulagem de altura do banco do condutor e coluna de direção ajustável em altura e profundidade, adaptando-se facilmente aos gostos e ao porte físico de quem se senta atrás do volante.

Além de itens de série como direção hidráulica, airbags frontais, ar-condicionado, freios com sistema ABS (antitravamento) e EBD (distribuição eletrônica de frenagem), toca-CDs com MP3 e trio elétrico, há uma novidade que equipa somente a versão EXS: o “paddle shift”, sistema de troca de marchas que fica atrás do volante, conhecido como “borboleta”.

Divulgação
Inspirado nos carros de F-1, troca de marchas é por "borboleta" na versão EXS

Na pista, o Civic não decepciona. O motor responde bem às investidas do pé direito, os engates das marchas são precisos e a suspensão é firme e estável. Mas o que impressiona mesmo é o baixíssimo nível de ruído, tornando-o um dos mais silenciosos automóveis de seu segmento.

Divulgação
Detalhe do grafismo nos mostradores do painel, com luzes na cor azul

Entretanto, o porta-malas perdeu 62 litros de capacidade, indo de 402 para apenas 340 litros, muito pouco para um o porte do veículo. O Volkswagen Golf, por exemplo (que é hatchback, ou seja, não tem o porta-malas saliente), tem apenas dez litros a menos. Além disso, é bem menor que o dos seus concorrentes no segmento de sedãs médios – o Chevrolet Vectra, que tem 526 litros, e o Renault Mégane (leia avaliação aqui), com 520 litros. Mas os preços são bastante competitivos (variam de R$ 59.600, preço da LXS MT, a R$ 77.600, o da EXS AT).

Divulgação
O maior senão do carro fica por conta do porta-malas de apenas 340 litros

Com tantos atributos, não é exagero dizer que o novo Honda Civic chega não só para ser o melhor de sua categoria, mas o melhor automóvel fabricado hoje no Brasil. Mostra de que as empresas japonesas não brincam em serviço na hora de produzir um veículo de qualidade. Sucesso de crítica. Para saber se será também de público, é preciso aguardar a resposta do departamento de vendas.

 

FICHA TÉCNICA

Honda Civic
Motor: dianteiro, transversal,

quatro cilindros em linha,

16 válvulas, 1.799 cm³ de cilindrada
Potência: 140 cv a 6.300 rpm

Torque: 17,7 kgfm a 4.300 rpm
Câmbio: seqüencial (EXS), automático (LXS AT) e Manual (LXS MT), de cinco velocidades

Suspensão: dianteira independente  McPherson; traseira com triângulos sobrepostos, com estabilizador

Freios: a disco nas quatro rodas, com sistema ABS (antitravamento) e EBD (distribuição da frenagem)
Dimensões: 4,49 m de comprimento; 1,75 m de largura; 1,45 m de altura; 2,70 m
de entreeixos

Tanque: 50 litros
Porta-malas: 340 litros

Preços: R$ 59.600 (LXS MT),

R$ 64.200 (LXS AT), R$ 61.100 (LXS MT com couro), R$ 65.700 (LXS AT com couro) e R$ 77.600 (EXS AT)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



Publicado em 17/05/2006

voltar
© Carpress - Todos os direitos reservados
proibida a reproduo de contedo deste site em qualquer meio de comunicao, impresso ou eletrnico, sem autorizao por escrito
Desenvolvido por ADR Web